O que é carga tóxica e quais são seus efeitos no organismo! - Armazem Virtual
O que é carga tóxica e quais são seus efeitos no organismo!
Equilíbrio hormonal

Publciado

Toxic load ou carga tóxica é o termo utilizado para se referir ao acúmulo de toxinas e produtos químicos no corpo. A carga tóxica tem origem em diversas fontes presentes no dia a dia, que podem envolver desde os produtos de higiene pessoal até a poluição do ar.

Para entender melhor, acompanhe o post até o final e descubra quais as fontes dessas toxinas, seus efeitos no organismo e como reduzir essa toxicidade.

O que é carga tóxica?

Imagine como era a alimentação, o ar e os produtos de limpeza ou de beleza utilizados no passado. Embora nem tudo estivesse livre de toxinas, a exposição do corpo humano a elas não era tão intensa como nos dias atuais.

Com o passar do tempo e o aumento da demanda, a produção em larga escala se tornou mais interessante, assim como o uso de produtos sintéticos de baixa qualidade e agrotóxicos. O volume de automóveis nas ruas também aumentou, assim como o tamanho das indústrias e a poluição do ar.

Logo, todos passaram a viver expostos a uma série de toxinas, agentes ambientais e produtos industrializados em maior quantidade, o que dificulta a identificação e a eliminação natural da carga tóxica que chega até o organismo.

De onde vêm as toxinas e a exposição aos produtos químicos?

Eles estão no detergente que você utiliza para lavar a louça, no perfume que borrifa após o banho e até mesmo na maçã que ingere no lanche da tarde. São milhares de elementos químicos presentes no dia a dia, em produtos que fazem parte da sua rotina. Confira a seguir os principais deles.

Produtos de limpeza

Boa parte dos produtos de limpeza possuem ingredientes tóxicos. Eles estão distribuídos em diversas formulações e com nomenclaturas desconhecidas pela maioria da população.

Por um lado, esses ingredientes são responsáveis pelos efeitos do produto como clarear, desengordurar, limpar e garantir aquele cheirinho agradável no ambiente e nas roupas. Por outro, podem causar alergias, problemas respiratórios, disfunções hormonais, dermatites, dores de garganta, náuseas e até mesmo doenças crônicas.

Alguns ingredientes tóxicos que podem estar presentes nos produtos de limpeza são:

  • Butoxietanol – ingrediente comum em produtos multiuso, limpa-vidros e para limpar a cozinha.
  • Ftalatos – atuam como fixador de fragrâncias, por isso é comum em produtos com cheirinhos, como limpadores multiuso, desinfetantes, lava-louças e até mesmo no papel higiênico.
  • Hipoclorito de sódio – muito comum em alvejantes, também conhecidos como água sanitária, mas também presente em clareadores, purificadores e cloro para piscina.
  • Benzenos e derivados – presente em diversos produtos de limpeza, como  sabão, desinfetante, detergentes, desengordurantes, sabão em pó e outros, o benzeno pode se apresentar com nomes diversos (Alquilbenzeno sulfonato de sódio, Ácido dodecilbenzeno sulfonato de sódio, Dodecilbenzeno sulfonato de monoetanolamina, Nonilfenol etoxilado, entre outros).
  • Amônio quaternário: muito comum em desinfetantes e detergentes.
  • Fragrâncias: presentes em produtos com perfume, como os amaciantes e desinfetantes, por exemplo.

Além desses, nos rótulos dos produtos de limpeza constam diversos outros ingredientes tóxicos, como formaldeído ou formalina, amônia, bórax ou borato de sódio, ácido muriático ou ácido clorídrico, etanolaminas (monoetanolamina, dietanolamina e trietanolamina) e tolueno.

Cosméticos, maquiagens e produtos de higiene pessoal

Os produtos que você costuma utilizar na pele, unhas e cabelos também podem conter diversos ingredientes químicos e tóxicos. Confira os principais deles.

Alumínio

Desodorantes e antitranspirantes são produtos de uso diário e que, em geral, trazem sais de alumínio na sua composição. Essa substância é que controla a eliminação do suor e impede a liberação de toxinas pelo organismo. Esse elemento químico também é encontrado em esmaltes, sombras, blushes e batons, sendo utilizado como uma espécie de corante. Ele aparece nos rótulos dos produtos como: aluminum chlorohydrate, aluminum chloride, ammonium alum, aluminum sulfate e aluminium powder.

Sulfatos

Funcionam como agentes de limpeza, retirando toda a oleosidade da pele e desequilibrando o pH, o que provoca a remoção da camada lipídica e alteração da barreira cutânea. É responsável pela espuma em produtos como xampus, sabonetes e pastas de dente. Costuma aparecer na lista de ingredientes com nomes diversos, sendo alguns deles: lauril éter sulfato de sódio, lauril éter sulfonato de sódio, lauril sulfato de sódio, lauril éter sulfato de sódio, entre outros.

Parabenos

Os parabenos são conservantes sintéticos responsáveis por prolongar a validade dos produtos. Por isso, é comum encontrar esse ingrediente em maquiagens, xampus e cremes. Estudos apontam seu potencial como disruptor endócrino e também seu impacto no meio ambiente, principalmente os efeitos nocivos em animais marinhos.

Silicone

Responsável por aquela textura gostosa em cremes hidratantes e xampus, os silicones são polímeros que causam a obstrução dos poros da pele e tornam os cabelos opacos e pesados.

PEG’s (polietilenoglicois)

São utilizados como espessantes, emulsificantes e solventes. Durante seu processo de fabricação podem ser contaminados com impurezas como óxido de etileno (extremamente tóxico) e 1,4-dioxano, que apresenta potencial carcinogênico.

Microplásticos

Sabe aqueles pequenos cristais que você observa em esfoliantes ou pastas de dente? Eles são microplásticos formados por polímeros ou copolímeros sintéticos e usados como agentes esfoliantes, abrasivos, formadores de filme, etc. Essas micropartículas são altamente poluentes no ambiente aquático e não biodegradáveis.

Além dessas substâncias, os cosméticos, as maquiagens e os produtos de higiene pessoal podem conter em suas formulações fragrâncias, ftalatos e uma série de metais pesados.

Alimentação

Os alimentos consumidos hoje também não são mais os mesmos dos nossos avós ou antepassados. Uma boa parte dos produtos contém pesticidas, herbicidas ou outros tipos de agrotóxicos que causam prejuízos à saúde, assim como a água, quando não filtrada de forma adequada.

Em nome da praticidade, o mercado de comidas prontas ou pré-prontas, snacks com calorias vazias e fast foods ganhou espaço. Porém, apesar de agilizar o dia a dia, esses alimentos contêm ingredientes, como conservantes, adoçantes e corantes artificiais ou açúcares e gorduras (hidrogenadas, sintéticas ou trans), que acabam causando danos ao organismo quando consumidos em excesso.

A forma de preparo também pode expor os alimentos à carga tóxica. Panelas que liberam metais pesados, como o alumínio, tigelas e potes de plásticos contendo bisfenol-A (BPA) transferem esses componentes tóxicos para os alimentos, o que pode influenciar negativamente o funcionamento do corpo.

Meio ambiente

Outra fonte de toxinas é o próprio ambiente. O organismo está exposto a diversos agentes tóxicos disfarçados na poeira, na fumaça dos carros, do cigarro e das indústrias, na luz azul dos aparelhos eletrônicos, nos aromatizadores de ambientes sintéticos, nos raios solares, na tinta usada para pintar a casa e nos móveis.

A água dos mares e dos rios também pode carregar uma série de elementos químicos prejudiciais à saúde quando ingerida ou em contato com a pele.

Quais os efeitos da carga tóxica a longo prazo?

Como uma máquina perfeita, o corpo humano possui um sistema de desintoxicação natural. Esse processo é realizado principalmente pelo fígado, responsável por filtrar o sangue que sai do trato digestivo, antes que ele siga para o restante do organismo.

No entanto, esse sistema não foi projetado para a quantidade de toxinas a que estamos expostos diariamente ao longo da vida. Por mais que muitos deles sejam inofensivos, outros podem ter efeitos tóxicos, especialmente quando acumulados no corpo no decorrer do tempo.

A bioacumulação de toxinas acaba causando uma carga corporal, também conhecida como body burden. Isso nada mais é do que o acúmulo dessas toxinas armazenadas e detectáveis no corpo humano.

Entre os efeitos dessa carga a longo prazo estão:

  • reações alérgicas;
  • dermatite de contato;
  • dermatite fotoalérgica;
  • ardência na pele;
  • doenças respiratórias;
  • disfunção hormonal;
  • autismo;
  • distúrbios neurocognitivos;
  • câncer;
  • doenças autoimunes.

Vale destacar que os efeitos da exposição à carga tóxica também podem ser influenciados pela composição genética, causando reações diferentes em cada pessoa.

Como reduzir a carga tóxica no organismo?

O primeiro passo para minimizar os efeitos e a exposição à carga tóxica é a conscientização e o conhecimento em relação aos ingredientes que sobrecarregam o organismo. Embora não seja possível ficar totalmente livre das toxinas, existem formas de reduzir o contato com elas. Confira a seguir.

1. Armazene e aqueça alimentos em recipientes de vidro

A maioria dos potes e recipientes de plástico contém compostos de bisfenol, como o BPA, que são liberados e transferidos aos alimentos quando aquecidos. Uma forma de evitar a ingestão dessas toxinas é o uso de recipientes de vidro ou mesmo aço inoxidável (para o lanche das crianças, por exemplo).

2. Opte por produtos orgânicos

Sempre que possível, opte por produtos orgânicos, livres de agrotóxicos. Isso se aplica para frutas, legumes, verduras, carnes, ovos e todos os alimentos possíveis. Quanto mais natural, mais saudável, rico em nutrientes e livre de toxinas ou calorias vazias.

3. Instale um filtro de água

Isso evitará a ingestão excessiva de elementos químicos como o cloro e o flúor. Como a água é consumida em grande quantidade todos os dias, essa exposição pode causar danos à saúde como impactos na glândula tireóide, responsável pela modulação da taxa metabólica do corpo.

4. Tenha plantas em casa

Elas são bonitas, tornam o ambiente aconchegante, consomem dióxido de carbono e absorvem muitos compostos orgânicos voláteis emitidos por móveis, tintas, adesivos e aerossóis. Algumas opções de plantas com efeito protetor são o lírio da paz, jiboia, espada de São Jorge, samambaia e o aloe vera.

5. Pratique exercícios físicos

A prática de atividades físicas é uma excelente forma de promover a circulação sanguínea e da linfa, auxiliando na eliminação de toxinas do corpo. Além disso, aumenta o fornecimento de nutrientes e oxigênio, responsáveis pelo reparo e funcionamento dos órgãos e músculos.

6. Invista em produtos clean beauty

Maquiagens e cosméticos livres de ingredientes tóxicos e marcas preocupadas com a qualidade das suas matérias-primas e com o meio ambiente. Esses são os fundamentos do conceito de clean beauty ou “beleza limpa”.

Já existem muitas marcas no mercado preocupadas com a bioacumulação de toxinas no organismo e trabalhando para a eliminação de ingredientes nocivos em suas formulações. Assim, aderir a produtos como esses é uma excelente forma de evitar ingredientes tóxicos e optar por alternativas mais seguras, eficientes e saudáveis.

Fonte: blog.noorskin.com.br

Continue
lendo posts relacionados